Ex-presidente do Ipea vai assumir diretoria-executiva do Instituto Mauro Borges

Doutor em Economia, Erik Figueiredo foi recepcionado pelo governador Ronaldo Caiado e pelo secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima, para iniciar o processo de transição da diretoria. Posse será efetivada em fevereiro

Foto Italo Yuri

O doutor em Economia Erik Figueiredo, ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), será o novo diretor-executivo do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Pesquisas Socioeconômicas (IMB), órgão jurisdicionado à Secretaria-Geral de Governo. Na tarde desta quarta-feira (18/01), ele foi recepcionado pelo governador Ronaldo Caiado e pelo secretário-geral de Governo, Adriano da Rocha Lima.

Em visita de cortesia ao IMB, o profissional conheceu de perto a equipe e a forma de trabalho do instituto, a fim de assumir a diretoria-executiva a partir de fevereiro. Ele substituirá Guilherme Resende, doutor em Economia que está à frente da condução dos trabalhos do instituto nos últimos dois anos e meio.

“Somos gratos a todos os resultados conquistados pelo Guilherme Resende nestes últimos anos de dedicação à direção do IMB. Vimos agora a oportunidade de agregar a visão de um gestor federal que ocupou importantes cargos em órgãos da União. Um profissional ímpar, que tem muito a acrescentar com sua vasta experiência conquistada como pesquisador sênior, e um grande defensor de políticas públicas exitosas pelos cargos que ocupou na esfera federal”, avalia Adriano da Rocha Lima.

Relevância do IMB

Durante a apresentação do IMB ao seu futuro diretor, Adriano da Rocha Lima ressaltou o novo viés conferido ao instituto pela atual gestão, que o trouxe mais próximo do centro de decisão do poder, jurisdicionado à Governadoria.

“Estar mais próximo do governador Ronaldo Caiado, como integrantes da Governadoria, conferiu maior independência ao trabalho realizado e também maior protagonismo às pesquisas realizadas, que passaram a ser focadas na criação, reformulação e avaliação de políticas públicas. Os dados gerados, mapeados e interpretados pelos pesquisadores passaram de estudos técnicos e acadêmicos para serem frequentemente utilizados no embasamento das tomadas de decisão do governador. Um ganho sem precedentes”, avaliou Rocha Lima.

O futuro gestor Erik Figueiredo agradeceu pelo convite feito pela gestão e disse estar comprometido em continuar o trabalho de relevância já desempenhado pelos pesquisadores. “É uma honra poder fazer parte de um órgão que contribui tão diretamente para a construção de políticas públicas eficientes. Como gestor público em diferentes papéis que já desempenhei, percebi que a gente se sente ainda mais motivado quando o fruto dos nossos estudos e pesquisas é utilizado para embasar leis e decretos que influenciam diretamente na melhoria da vida das pessoas. E vejo que em Goiás terei essa satisfação ao trabalhar aqui no IMB”, afirmou Figueiredo.

O diretor Guilherme Resende agradeceu pela confiança depositada nele durante os anos que ficou à frente do instituto, ressaltando os esforços empreendidos para corresponder às expectativas do governador. Ele se colocou à disposição do futuro gestor para contribuir no processo de transição e segue integrando o quadro do IMB por ser um servidor de carreira do instituto.

Breve currículo

Além de presidente do Ipea, Erik Figueiredo atuou como subsecretário de Política Fiscal do Ministério da Economia e foi suplente do ministro da Economia no Conselho da Previdência Social. Ele também compôs os principais conselhos de avaliação de políticas públicas federais, além de ter atuado no conselho de Administração do Banco da Amazônia e no Conselho da Associação Brasileira de Desenvolvimento.

Em seu currículo se destaca a atuação como professor associado da Universidade Federal da Paraíba e o status como pesquisador nível 1 do CNPQ, tendo mais de 60 artigos publicados em periódicos científicos.

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.